Documentario - The Mindscape of Alan Moore

Os que têm um mínimo de conhecimento em quadrinhos sabem da importância de Alan Moore para a indústria de quadrinhos e para a nona arte em si. Ele é, ao lado de Will Eisner, o principal responsável por (e)levar os quadrinhos ao status de arte, com obras grandiosas, e narrativa apurada. Como ele mesmo fala, um roteirista que pensa unicamente em quadrinhos como cinema, vai fazer um filme congelado… e com balões. Mas Moore pensa diferente. Ele força as “novelas gráficas” até ao seu limite narrativo. Para os que assistiram e acharam tudo balela (e obviamente não conhecem o autor), basta ler uma de suas HQ’s essenciais. Pode ser Watchmen, V de Vingança, A Liga Extraordinária, Monstro do Pântano ou Do Inferno. Quem quer que as tenha lido, julga impossível fazer uma transposição à contento para qualquer outra mídia que seja. Ela nasceu quadrinhos e é assim que ela deve ser. Em tempos mais atuais ele fez isso de novo com Promethea, principalmente no quesito narrativa visual. O último número da série, por exemplo, é um grande pôster que pode ser lido das mais diferentes formas e interpretado de várias maneiras.

A forma que Moore encara o mundo é a grande estrela desse documentário/entrevista. Seus pontos de vista sobre sexo – que levou a criação de Lost Girls, – que é colocado como a perfeita antítese da guerra (um dá a vida e o outro a tira), magia, tempo, e consciência humana são dignos de nota, e mesmo que você não creia em absolutamente nada que ele falou, merece ao menos ouvi-lo.

Como complemento às palavras do barbudo inglês, surgem imagens de excelente qualidade. São ilustrações feitas para as revistas do autor, imagens psicodélicas, que sobrepõe Moore falando sobre mestres xamãs do passado, ou sobre o retrocesso da ciência atual. Sem dúvida é um trabalho belíssimo. Destaque também para a trilha sonora, criada por Drew Richards, que mistura diversos elementos musicais, como o rock e o techno para criar algo único.

The Mindscape of Alan Moore não fez carreira comercial (bom, ao menos aqui no Brasil, pode ser encontrado em DVD’s piratas nos Mercados Livres da vida). O filme fez carreira em festivais mais alternativos e mostras de vídeo, e foi crescendo e ganhando sucesso, graças ao buzz e ao próprio nome de Moore. O projeto surgiu da vontade de sua dupla de diretores, Dez Vylenz e Moritz Winkler, de fazer algo relacionado às artes xamânicas – tanto que o filme é o primeiro volume de uma trilogia xâmanica. A idéia é que o segundo filme seja uma dramatização dos mestres xamãs americanos e africanos, e o terceiro sobre as artes marciais.

Ano de lançamento (Reino Unido): 2003
Diretor: Dez Vylenz e Moritz Winkler
Duração: 80 minutos
Idioma: Inglês
Legendas: Português
Tamanho: 248 mb

Download (Megaupload)
Parte 1 | Parte 2 | Parte 3

Posted by Anônimo |

0 Comentários:

Postar um comentário

seguidores

Translate